A adoção da safrinha de soja tem demonstrado ser uma escolha de alto risco para os produtores, capaz de inviabilizar inclusive a safra normal. De acordo com matéria publicada em dezembro de 2014 pela Kleffmann Group, baseada nas informações divulgadas pela Embrapa, o produtor rural ainda não possui informações básicas a respeito do manejo da soja durante a safrinha, desde população de plantas e adubação até o controle de doenças. Diante deste cenário, dentre as pragas que atacam a cultura da soja, os percevejos (Hemiptera, Pentatomidae) são considerados de grande risco.

Alguns especialistas apontam que o crescente interesse pelo cultivo de soja na safrinha vem agravando problemas fitossanitários, como ataques de populações de insetos-pragas, principalmente os percevejos. Eles podem causar grandes danos à cultura a partir da fase de formação das vagens até o final do desenvolvimento das sementes.

Os percevejos se alimentam dos grãos em formação, por meio de suas picadas. O dano direto depende do estágio em que se encontra o grão no momento da picada, desde a inviabilização total da semente, até a redução do vigor e potencial de desenvolvimento. Já os danos indiretos são a transmissão de doenças fúngicas e um distúrbio fisiológico que afeta a maturação normal das plantas atacadas, deixando-as com as folhas verdes ao final do ciclo.

Fonte: Agrolink https://pro-essay-writer.com